Barbacena tem IDHM superior a Minas e ao Brasil


O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - IDHM  cresceu 47,5% entre 1991 e 2010, segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil - 2013, divulgado dia 29 de julho passado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Pnud.  De acordo com os dados do Atlas, 85,8% dos municípios brasileiros faziam parte do grupo de “muito baixo desenvolvimento humano” em 1991. Em 2000, esse número caiu para 70% e, em 2010, despencou para 0,57%.

 O Atlas  é uma plataforma de consulta ao Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – IDHM de 5.565 municípios brasileiros, e avalia mais de 180 indicadores de população, educação, habitação, saúde, trabalho, renda e vulnerabilidade, com dados extraídos dos censos demográficos de 1991, 2000 e 2010.

 De acordo com o Atlas, Barbacena ocupa a 238ª posição em relação aos 5.565 municípios do Brasil, e está à frente de capitais como São Luiz (MA), Belém (PA), João Pessoa (PB). Em relação aos 853 outros municípios de Minas Gerais, Barbacena ocupa a 19ª posição, à frente de Divinópolis, Patos de Minas, Conselheiro Lafaiete e São João Del Rei. Barbacena teve um incremento no seu IDHM de 42,14% nas últimas duas décadas.  O IDHM de 2010 de Barbacena é de 0,769, superior ao de Minas Gerais (0,731) e ao do Brasil (0,727).

 Na educação, o IDHM de Barbacena pulou de 0,355 em 1991 para 0,687 em 2010. No componente longevidade, o salto foi de 0,717 para 0,881. Quanto à renda da população, o aumento foi 0,621 para 0,751 no período de duas décadas.

 O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de Barbacena é 0,769, em 2010. O município está situado na faixa de Desenvolvimento Humano Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799). Entre 1991 e 2000, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi Educação, seguida por Longevidade e por Renda.

População e urbanização

Entre 2000 e 2010, a população de Barbacena teve uma taxa média de crescimento anual de 1,02. No Estado, estas taxas foram de 1,01%.. No país, foram de 1,01% no mesmo período. Nas últimas duas décadas, a taxa de urbanização cresceu 9,79% na cidade.

Longevidade e mortalidade infantil

A mortalidade infantil (mortalidade de crianças com menos de um ano) em Barbacena reduziu 51%, passando para 10,5 por mil nascidos vivos em 2010. Segundo os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas, a mortalidade infantil para o Brasil deve estar abaixo de 17,9 óbitos por mil em 2015. Em 2010, as taxas de mortalidade infantil do Estado e do País eram 15,1 e 16,7 por mil nascidos vivos, respectivamente.

 A esperança de vida ao nascer é o indicador utilizado para compor a dimensão Longevidade do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM). Em Barbacena, a esperança de vida ao nascer aumentou 9,9 anos nas últimas duas décadas, passando de 68,0 anos em 1991 para 77,9 anos em 2010. Em 2010, a esperança de vida ao nascer média para o Estado é de 75,3 anos e, para o País, de 73,9 Educação.

 Crianças e Jovens

A proporção de crianças e jovens frequentando ou tendo completado determinados ciclos indica a situação da educação entre a população em idade escolar do município e compõe o IDHM Educação. Em Barbacena, no de período 1991 e 2000, a proporção de crianças de 5 a 6 anos na escola cresceu 65,87%. A proporção de crianças de 11 a 13 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental cresceu 58,74% entre 1991 e 2000.  A proporção de jovens entre 15 e 17 anos com ensino fundamental completo cresceu 119,61% no período de 1991 a 2000. E a proporção de jovens entre 18 e 20 anos com ensino médio completo cresceu 56,69% entre 1991 e 2000.

 População Adulta

A escolaridade da população adulta é importante indicador de acesso a conhecimento e também compõe o IDHM Educação.  Em Barbacena, em 2010, 56,88% da população de 18 anos ou mais de idade tinha completado o ensino fundamental e 42,19% o ensino médio. Em Minas Gerais, 51,43% e 35,04%  respectivamente. Esse indicador carrega uma grande inércia, em função do peso das gerações mais antigas e de menos escolaridade. A taxa de analfabetismo da população de 18 anos ou mais diminuiu 6,12% nas últimas duas décadas.

 Renda

A renda per capita média de Barbacena cresceu 124,09% nas últimas duas décadas, passando de R$381,21 em 1991 para R$560,59 em 2000, e R$854,27 em 2010. A extrema pobreza (medida pela proporção de pessoas com renda domiciliar per capita inferior a R$ 70,00, em reais de agosto de 2010) passou de 12,26% em 1991 para 5,57% em 2000 e para 1,70% em 2010.  A desigualdade se manteve: o Índice de Gini passou de 0,58 em 1991 para 0,57 em 2000, e para 0,58 em 2010.

 

 

 

O que é Índice de Gini -  É um instrumento usado para medir o grau de concentração de renda. Ele aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos.

 

Trabalho

Entre 2000 e 2010, a taxa de atividade da população de 18 anos ou mais (ou seja, o percentual dessa população que era economicamente ativa) passou de 61,43% em 2000 para 60,85% em 2010. Ao mesmo tempo, sua taxa de desocupação (ou seja, o percentual da população economicamente ativa que estava desocupada) passou de 14,23% em 2000 para 9,71% em 2010.

 

Em 2010, das pessoas ocupadas na faixa etária de 18 anos ou mais, 7,51% trabalhavam no setor agropecuário, 0,67% na indústria extrativa, 6,93% na indústria de transformação, 8,21% no setor de construção, 1,16% nos setores de utilidade pública, 17,33% no comércio e 51,63% no setor de serviços.




 


Busca de Notícias