Prefeitura assumirá organização do Jubileu da Basílica de São José


Atendendo recomendações do Ministério Público e dispositivos da Lei Municipal  que regulamenta as Feiras Livres, Prefeitura Municipal anuncia que assumirá o controle total do evento. 

Após reunião de mais de duas horas, com as presenças de representantes da Basílica de São José Operário, Bombeiros, Polícias Militar e Civil, Serviço de Água e Saneamento - SAS, Agência Municipal de Desenvolvimento - AGIR, Subsecretaria de Trânsito - SUTRAN e Secretaria Municipal da Fazenda, Secretaria Municipal de Coordenação Política e Advocacia Geral do Município, o Prefeito Toninho Andrada anunciou que o município assumirá o total controle na organização da festa do Jubileu, que este ano comemorará seu 50º aniversário. O evento religioso na área pertencente à Basílica ficará sob administração da Igreja.

As atividades de coordenação do evento ficarão a cargo da Agência Municipal de Desenvolvimento – AGIR, que promoverá leilão público das barracas, que serão limitadas, padronizadas e instaladas de acordo com projeto que levará em consideração as necessidades de limpeza urbana e as atividades dos serviços de saúde pública, Corpo de Bombeiros, fiscalização e segurança, entre outros fatores. Será elaborado plano especial de trânsito, para coordenar o acesso de veículos à região do evento, especialmente os ônibus com milhares de peregrinos, e serão instalados banheiros químicos.

A AGIR promoverá já a partir da próxima semana várias reuniões setoriais para a elaboração de um amplo programa de organização do Jubileu, com o objetivo de atender às recomendações do Ministério Público e os dispositivos da Lei Municipal que regulamenta a realização de Feiras Livres.

No último dia 6 de fevereiro, o Promotor Flávio Barra Rocha promoveu reunião com mais de trinta representantes de vários setores da sociedade barbacenense ligados direta ou indiretamente ao evento, e comunicou a instauração de Inquérito Civil para tratar do Jubileu de São José Operário. Na oportunidade, abordou sobre a necessidade da conjugação de esforços “de modo a compatibilizar o propósito religioso com o interesse público da sociedade – segurança pública, saúde pública, segurança alimentar e pessoal dos participantes e interesse econômico dos barraqueiros”. Ele explicou que o Ministério Público expediu recomendações a diversos órgãos e que “a Prefeitura tem responsabilidade inerente à regulamentação da exploração e o uso do espaço público”. Também durante o encontro promovido pelo Ministério Público, foram apresentados relatórios que “demonstram irregularidades” que ocorreram em 2013 e que precisam ser solucionadas.

 


Busca de Notícias