Carteiras do ‘Passe Livre’ facilitam o acesso de deficientes


 A Prefeitura Municipal de Barbacena, por meio da Secretaria de Coordenação de Programas Sociais (SECOPS), vem dando seguimento à confecção de carteiras do “Passe Livre” para deficientes físicos, adultos e crianças que precisam de tratamento médico prolongado.

 Segundo a coordenadora da Divisão de Apoio ao Deficiente, Julia Marcier,  centenas de pessoas procuram o setor para conseguir ter acesso ao benefício da prefeitura. “Procuramos atender a todos o mais rápido possível. Sempre damos prioridade aos casos emergenciais, mas posso afirmar que na medida do possível, todos serão atendidos”, disse.

 Os documentos são divididos entre Carteira da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Barbacena (Apae), Permanente e Temporária. O benefício para os pacientes da Apae e as Permanentes têm validade de um ano para àqueles usuários que buscam tratamento em outras unidades. Já para as Temporárias, a validade é de seis meses. “Com exceção das Carteiras Temporárias, estudantes do Centro Estadual de Educação Especial Maria do Rosário, pacientes em tratamento de hemodiálise e pacientes soropositivos para HIV, possuem o cartão Temporário, mas com a validade de um ano”.

 Somente no ano passado, foram renovadas 136 carteiras para alunos da Apae, somados aos 1.120 usuários já beneficiados com Permanentes e 532 Temporários.

  Flavio Maluf, Secretário Municipal de Coordenação de Programas Sociais, afirmou que a medida tem sido cada vez mais procurada pela população. “Temos em Barbacena o compromisso com as pessoas mais carentes e que precisam da ajuda do município. Em parceria com algumas empresas, diariamente, atendemos a dezenas de casos e conseguimos dar solução na maioria deles, de acordo com a sua urgência”, afirmou.

  Para ter direito ao Passe Livre, o cidadão deve ter renda familiar inferior a dois salários mínimos e apresentar a seguinte documentação: Cópia da carteira de identidade ou certidão de nascimento; Cópia do comprovante de renda (de todos os moradores do domicílio); Cópia do comprovante de residência; 2 retratos 3x4; Declaração do local onde faz tratamento, constando quais os dias da semana em que o tratamento ocorre e o turno e Declaração do médico especialista na patologia, com a identificação do CID.

  Após a verificação da documentação o cidadão passará por uma entrevista com a assistente social e o médico do setor. Os interessados podem procurar a unidade da Divisão de Apoio ao Deficiente, na rua Sete de Setembro, nº25, das 7h às 17h, de segunda à sexta.

 


Busca de Notícias