Campeões visitam pistas do Panamericano de Mountain Bike


Para dar um parecer técnico às pistas de DownHill (DHI) e Cross Country (XCO), atletas renomados e campeões das modalidades, vieram até Barbacena, no final de semana, conferir o traçado, obstáculos e falar sobre a expectativa no Campeonato Panamericano, que acontece na cidade entre os dias 27 e 30 de março. O Bi-Campeão Panamericano, Miguel Giovannini e a Pentacampeã Brasileira, Érika Gramiscelli, fizeram o percurso e em seguida, opinaram sobre o trajeto e destacaram os pontos positivos e dificuldades durante o reconhecimento.

Para Miguel Giovannini, piloto treinado corre em qualquer pista. Ele ressalta que o    percurso de DHI (DownHill) não foi favorecido pela topografia local  porque a inclinação é pequena, mas os obstáculos foram estrategicamente postos e estão colocando dificuldade considerável a nível europeu. “Uma competição não é feita só de traçado. Mas nestes 16 obstáculos que passei, notei que a prova será emocionante e não será fácil. O vencedor, com certeza, será o melhor, independente do nível técnico do atleta”, explicou o campeão de DownHill.

Já para a Pentacampeã de XCO, Érika Gramiscelli, a pista está sensacional, não deixando nada a desejar. “Foi um traçado rápido, já que não está totalmente finalizada. Alguns trechos, eu achei muito show. Mas pelos 90% do trajeto que fiz, tenho certeza que será uma prova muito dura”, disse Érika. E ao falar em topografia do XCO, Érika era só elogios e empolgação. “Está tudo em total sintonia. Quem está forte  anda em qualquer pista e quanto mais difícil, melhor a competição. Vamos aguardar a finalização e analisar 100%”, ressaltou a atleta.

O organizador e idealizador dos traçados e dificuldades das pistas de DHI e XCO, Felipe Gomes, mais conhecido como Mamão, explica que a equipe está trabalhando de segunda a segunda para cumprir o prazo exigido pela comissão da UCI (União Ciclista Internacional) e COPACI (Confederação Panamericana de Ciclismo). “A pista de XCO teve um grande crescimento, pois a topografia de Barbacena ajudou muito. Estamos trabalhando para que fique com nível internacional. Nosso planejamento foi inovador, para que o espetáculo seja de primeira qualidade”, afirmou Mamão.

Para a pista de DHI, Mamão fala sobre as dificuldades e as peculiaridades do local. “No traçado de DownHill a topografia não é íngreme, mas estamos fazendo obstáculos artificiais. No ponto de vista técnico, todas as exigências, feitas pelo comissário da COPACI, Wilfor Molina Patiño e pela Regina Barbieri da UCI estão sendo feitas com êxito, dentro do padrão internacional. Um ponto positivo para o evento é a visão quase toda das pistas de DHI e XCO. O público terá cerca de 71% e muitos poderão conferir saltos, manobras e até supostas ultrapassagens dos atletas”, destacou o organizador.

Os traçados de XCO e DHI ainda não estão finalizados. A previsão é que esteja 100% no dia 24 de março. Só a partir desta data, que os atletas têm permissão de reconhecimento e respectivos treinos para o Campeonato Panamericano de Mountain Bike, que será entre os dias 27 a 30 de março.


Busca de Notícias