Promotor encerra com palestra a II Campanha Municipal Contra o Abuso Infantil
Estudantes, educadores, pais, autoridades civis e militares assistiram a palestra do Promotor Carlos José Fortes


Na última quinta-feira (15), encerrou-se a II Campanha Municipal de Enfrentamento da Violência e Abuso Sexual cometida contra crianças e adolescentes, com palestra do Promotor de Justiça Carlos José Fortes, Membro do Grupo de Apoio Técnico da CPI da Pedofilia e Coordenador do Movimento Nacional 'Todos Contra a Pedofilia'.

Sob os olhares atentos de uma platéia formada por jovens, estudantes, acadêmicos de Direito, Psicologia e Pedagogia, autoridades civis e militares, educadores e pais, a noite teve início com o discurso da secretária municipal de Coordenação de Programas Sociais, Rita Candian, na ocasião representando o prefeito Toninho Andrada, que falou dos avanços do município no combate a pedófilos.

Segundo a secretária, “é uma das grandes preocupações da nova gestão garantir a dignidade de crianças e adolescentes, uma vez que estes muitas vezes são abusados no seio familiar e se tornam vulneráveis a tais ações”, disse.

O secretário chefe da Casa Civil, professor José Augusto Penna Naves, afirmou que é muito importante que se formulem políticas públicas visando proteger os cidadãos em risco social, em especial as crianças,  que são presas fáceis desse sistema de exploração sexual e mercantilização da infância.

A palestra

Com vasta experiência, o promotor Carlos Fortes explicou a Lei contra Abuso de Vulnerável, falou das penas aplicadas e dos avanços da CPI da Pedofilia e apresentou dados e estatísticas.

Ao comentar sobre a ação pedófilos e exploradores de crianças e adolescentes, o promotor Carlos Fortes levou todo o anfiteatro a uma séria reflexão ao esclarecer a importância das denúncias de casos suspeitos. “Nesses tempos de CPI, ao estudar casos, ver fotos, conversar com as crianças e pedófilos, tenho deparado com a triste realidade de que muitos fatos consumados poderiam ter sidos evitados e não foram. A negligência e o medo das pessoas de realizar as denúncias tem nos levado a uma situação de caos total. Por isso, peço a todos vocês que não sejam passivos diante de situações absurdas. Denunciem, gritem, realizem movimentos, mas defendam nossos jovens”, finalizou.


Busca de Notícias