Municípios unidos pelo Rio das Mortes
Ação conjunta entre Barbacena, São João del-Rei, Tiradentes, Barroso e Santa Cruz de Minas


“O que fazer para reviver o Rio das Mortes?” Este foi o tema de um concurso de redação realizado pela Diretoria de Meio Ambiente da Agência de Desenvolvimento Integrado de Barbacena e Região (Agir), por meio da Divisão de Educação Ambiental, para alunos das escolas da rede pública e privada do município. E dar vida ao Rio das Mortes tem sido uma preocupação de Barbacena, São João del-Rei, Tiradentes, Barroso e Santa Cruz de Minas. Prova disto foi a realização do Seminário Regional do Rio das Mortes, aberto no último dia 4, em São João del-Rei e encerrado dia 6 de junho, no auditório do Ifet-Barbacena, onde foram mostradas ações que estão sendo feitas e a confirmação, através de uma carta de intenções, de um Fórum Permanente, que contará com os cinco municípios que participaram do Seminário, outros vizinhos e ainda os governos do Estado e Federal.

O evento em Barbacena contou com a presença do prefeito Toninho Andrada; da vice-prefeita e secretária de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade de São João del-Rei, Maria Cristina Alves Pereira; o secretário Chefe da Casa Civil de Barbacena, professor José Augusto Penna Naves; o diretor de Meio Ambiente da Agência de Desenvolvimento Integrado de Barbacena e Região (Agir), Sérgio Gossi; o diretor de Meio Ambiente da Agir, Edson Brandão, e representante do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Polyanna Duarte, que realizou palestra sobre o “Plano Diretor de Recursos Hídricos do Rio das Mortes”.

O prefeito Toninho Andrada lembrou a educação como princípio básico para cuidar do meio ambiente. “A cada ano, vemos crescer a conscientização para a preservação do meio ambiente, mas, na prática, o que tem sido feito para realmente cuidar da natureza? O caminho a seguir é um trabalho a ser realizado nas escolas, através da educação, conscientizando as crianças e jovens sobre a necessidade de não poluir, de preservar o meio ambiente. E neste caso, respeitar o Rio das Mortes”, destacou.

Toninho Andrada também falou da importância do Rio das Mortes na formação da região: “Este Rio, além de sua importância no fornecimento da água para a população de várias cidades, é também patrimônio cultural, pois são várias as cidades que se formaram as margens do trajeto do Rio das Mortes”.

E ainda mostrando que Barbacena vem procurando dar atenção ao cuidado com o meio ambiente, o prefeito falou de obras voltadas para a área. “Queria aproveitar a ocasião para anunciar que a Copasa estará inaugurando aqui em Barbacena uma estação de tratamento de esgoto no próximo mês. O lixão de Barbacena está interditado há mais de dois anos, por isto, todo lixo coletado em Barbacena tem que ser levado para o Juiz Fora, com a Prefeitura pagando por isto. Mas agora, através de uma Parceria Público Privada (PPP), uma empresa irá construir um aterro sanitário, que servirá não só para receber o lixo de Barbacena, mas também de outras cidades vizinhas”, explicou.

A história contada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, que foi um dos símbolos da luta contra a fome no Brasil, também foi lembrada por Toninho Andrada: “O beija-flor foi colocado como símbolo desta campanha na luta para recuperar o Rio das Mortes. Foi o beija-flor que levava água em seu bico para tentar salvar a floresta que pegava fogo. Enquanto os outros bichos fugiam, ele tentava sozinho fazer sua parte. Nós estamos fazendo nossa parte para recuperar o Rio das Mortes. Este Seminário é o primeiro passo”. 

Representando o prefeito de São João del-Rei, Helvécio Luiz Reis, a vice-prefeita e secretária de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade de São João del-Rei, Maria Cristina Alves Pereira, lembrou a importância do Seminário como primeiro passo na luta para recuperar o Rio das Mortes: “Nos últimos dias, as mídias estão destacando a Semana do Meio Ambiente, mas o que realmente tem sido feito? Nós estamos tentando fazer a nossa parte e a prova disto é este Seminário do Rio das Mortes, que não olhou partidos, mas sim o interesse comum em preservar nosso meio ambiente, neste caso, nosso Rio”.

O diretor de Meio Ambiente da Agir, Sérgio Grossi, lembrou a história do Rio das Mortes e sua atual condição: “Nos últimos dias, passei por 86 quilômetros do Rio das Mortes e pude ver como ele está com o nível baixo. Mais de mil imagens foram tiradas e mostram as condições do Rio. Lembro aqui que este Rio já foi navegável, foi através dele que a Família Real chegou a Santa Cruz de Minas, e agora está nesta condição. Mas estamos procurando fazer a nossa parte, assim como o beija-flor, que é símbolo desta campanha, estamos tentando conscientizar para termos um Rio com vida”.  

Várias outras autoridades prestigiaram o Seminário do Rio das Mortes, entre elas o Comandante da 13ª Companhia de Meio Ambiente, Major Noir, os representantes da Saint Goban, Fábio Gonçalves e Luiz Carlos Moreira, e o representante da Copasa, Ubiraelio Teixeira Magalhães. Também estiveram presentes responsáveis de vários órgãos ligados aos governos municipais de Barbacena e São João del-Rei. 

Com relação ao concurso de redação realizado pela Diretoria de Meio Ambiente da Agir, 20 escolas participaram, sendo três com duas turmas, e 23 os alunos vencedores receberam das mãos do prefeito Toninho Andrada e da vice-prefeita de São João del-Rei, Maria Cristina Alves Pereira, as medalhas e certificados como prêmio por mostrarem com suas palavras “O que fazer para reviver o Rio das Mortes?”


Busca de Notícias