Matriz lotada para assistir Tributo a Flausino Vale
Evento ao som do violo do violino de Jerzy Milewski e o piano de Aleida Schweitzer


Um espetáculo musical sob os olhares de Nossa Senhora da Piedade. Assim pode ser definido o Tributo a Flausino Vale, com a apresentação do violinista polonês Jerzy Milewski, acompanhado da pianista Aleida Schweitzer, que aconteceu na noite de sexta-feira, 8 de agosto, na Matriz da Padroeira de Barbacena. O evento marcou o início das comemorações pelo aniversário de 223 anos da cidade, levou um grande número de pessoas à igreja e contou com a presença do prefeito Toninho Andrada, acompanhado da primeira-dama Paula Andrada.

Jerzy Milewski apresentou um programa bem eclético, com duração de pouco mais de 90 minutos. O violinista levou ao público, que se manifestava com palmas calorosas ao final de cada música, composições de Mozart, Heitor Villa-Lobos, a dança eslava de Dvorak, o country de Debski, passou pelo chorinho, inclusive com a música Brasileirinho, e não faltou a Ave Maria, como ele mesmo disse: “estamos em uma igreja”. De Flausino, três músicas foram executadas: Serenata Onírica, depois Saudade de Minha Mãe, que ele fez para homenagear sua mãe quando ela morreu, e Ao pé da fogueira, uma composição que representa muito bem o que foi a música de Flausino, inspirada na cultura brasileira.

O prefeito Toninho Andrada falou da importância da homenagem a Flausino Vale com a presença de Jerzy Milewski: “É uma homenagem muito justa, porque ele é um nome de repercussão nacional e internacional e o resgate cultural faz parte também do nosso esforço na administração municipal. Barbacena tem uma riqueza cultural muito grande que precisa ser resgatada, divulgada e ampliada. E o Milewski é um grande nome da música internacional, é um homem que tem realmente um senso muito apurado”.

Responsável pelo Tributo, Jerzy Milewski lembrou o retorno a Barbacena depois de 20 anos para novamente homenagear Flausino Vale: “É como se fosse ontem (o retorno à cidade), porque eu gosto muito daqui, eu gosto das pessoas daqui, do povo daqui e isto não muda nunca, então, se não muda nunca, foi ontem. Já percebi, em todos lugares que eu toquei Flausino, na Índia, Estados Unidos, na Polônia, Escandinávia, Alaska, Canadá, que é a música de um gênio e a música de um gênio todo mundo gosta, todo mundo sente, pode ser japonês, toquei no Japão também, hindu, porque genialidade artística é universal. É maravilhoso, é como eu acabei de dizer, é um gênio que escreveu, então todo mundo sente, não precisa entender música, basta sentir”.

Diretor de Cultura e Turismo de Barbacena, Édson Brandão destacou a importância de Flausino Vale e o aniversário da cidade: “Nós estamos aproveitando o mote dos 223 anos, estamos abrindo as comemorações do aniversário da cidade com este evento, mas há algo mais profundo nisto, que é reverenciar a memória do Flausino Vale, que nasceu há 120 anos. Uma pessoa iluminada, com um talento que ele trouxe com ele. Ele era um autodidata, o Flausino jamais frequentou escolas de arte, de conservatórios, mas mesmo assim ele conseguiu construir uma carreira musical que levou o nome dele para o mundo. Ele conseguiu entender esta dinâmica de algo tão peculiar, tão mineiro, ter a capacidade de emocionar alguém tão longe. E é por isto que o Milewski está aqui também, porque o Jerzy Milewski antes de conhecer o Brasil, antes de ter ideia do que era este país, ele conheceu a música do Flausino Vale”.

 

Família e homenagem a Flausino

“Um reencontro de 20 anos”. Desta forma o diretor de Cultura e Turismo de Barbacena, Édson Brandão lembrou que há 20 anos, no primeiro governo do prefeito Toninho Andrada, foi lançado um CD de Flausino Vale interpretado pelo Jerzy Milewski, também com uma apresentação na Matriz de Nossa Senhora da Piedade. E a apresentação do violinista polonês, na última sexta-feira, foi acompanhada por duas netas de Flausino Vale. Heloísa e Yara Rodrigues Vale, que moram em Belo Horizonte, estiveram em Barbacena especialmente para assistirem ao Tributo.

Heloísa e Yara são filhas Guatemoc Rodrigues Terra Vale, filho mais velho e Flausino e que também mora em Belo Horizonte. Flausino é pai também de Huascar Rodrigues Vale e Araken Rodrigues Vale.

O tom de agradecimento marcou as palavras de Heloísa Rodrigues Vale: É uma honra para nossa família, porque Flausino, além de ser compositor e músico brasileiro, é de Barbacena. Esta é uma forma de reavivarem a música dele, um legado que ele deixou de Barbacena para o mundo inteiro. Era um compositor autodidata e fez uma música muito relacionada à cultura. Eu vim há 20 anos atrás com minha mãe no centenário e estou vindo de novo. A gente só tem a agradecer”.


Busca de Notícias