Gestantes serão vacinadas contra coqueluche
A vacina adulto dTpa será aplicada, preferencialmente, entre a 27ª e a 36ª semana de gestação


As gestantes de todo o estado vão receber, a partir deste mês de novembro, um reforço na imunização contra coqueluche, difteria e tétano. A vacina adulto dTpa será aplicada, preferencialmente, entre a 27ª e a 36ª semana de gestação (entre o sétimo e o nono mês), podendo ser administrada até 20 dias antes da data provável do parto. O objetivo é proteger os recém-nascidos contra a coqueluche, nos primeiros meses de vida. As gestantes que moram em áreas de difícil acesso poderão receber a vacina a partir da 20ª semana para que não se perca a oportunidade de imunizá-las. A vacina já está disponível em todas as unidades básicas de saúde do estado.

A preocupação em adotar a nova vacina para as mulheres grávidas se deve ao aumento dos casos de coqueluche em crianças menores de um ano de idade. Segundo o Ministério da Saúde, dos 6.368 casos da doença registrados no País em 2013, cerca de 70% acometeram essa faixa etária, sendo a maioria em bebês com menos de três meses de vida e que ainda não completaram o esquema vacinal contra a doença. Em Minas, no mesmo ano, foram registrados 460 casos da doença, sendo 272 em crianças menores de um ano. Em 2014, até o momento, foram registrados 282 casos de coqueluche no estado, sendo 182 em crianças nesta faixa etária, um percentual de 64,5%.

Com a dose de reforço para as mães, a proteção dos bebês se dará por meio da transferência dos anticorpos maternos para o feto, através da placenta.

A vacina contra coqueluche para as crianças faz parte do Calendário Nacional de Vacinação e prevê a imunização aos dois, quatro e seis meses de idade com a vacina Tetravalente (que também protege contra difteria, tétano, meningite e outras infecções causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b) e dois reforços com a Tríplice Bacteriana, o primeiro aos 15 meses e o segundo entre quatro e seis anos.

A mulher deverá tomar a dose de reforço a cada gestação, considerando que o alto nível de anticorpos necessários para proteger o bebê não se manterá até uma próxima gravidez.

A vacina apenas é contraindicada para mulheres que tenham apresentado alergia ou hipersensibilidade aos componentes da vacina em doses anteriores.


Busca de Notícias