Estado e Governo Municipal inauguram obras de revitalização do Museu da Loucura
As melhorias foram realizadas pelo Governo do Estado, através da Fhemig, e tem a Prefeitura de Barbacena como grande parceira


O Museu da Loucura, pertencente ao Centro Hospitalar de Barbacena - CHPB, recebeu uma nova roupagem. O local, famoso por abrigar um acervo que conta a história do hospital psiquiátrico de Minas Gerais, teve suas portas abertas, na quinta-feira,18, após uma reestruturação que durou aproximadamente seis meses. O evento de reabertura teve a presença do Prefeito de Barbacena, Toninho Andrada, secretário de Estado de Saúde, José Geraldo de Oliveira Prado; o presidente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais - FHEMIG, Antônio Carlos de Barros Martins; a diretora do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena, Mônica Matos Souza Chartuni Teixeira; e a Coordenadora do Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP), Lucimar Pereira e várias outras autoridades

Em seu discurso, Toninho Andrada ressaltou a importância da cultura para a vida de qualquer cidadão. “Um povo sem cultura é um povo sem história. Um povo sem história, é um povo sem raízes e um povo sem raízes não produz frutos. Não há como avançar, sem dar um atenção especial à cultura, pois é a essência do que nós vivemos. Sem o aspecto cultural é difícil fazer história. Então estamos fazendo exatamente isso, um resgate da história, mostrando como aconteceu”, argumentou Toninho Andrada.

O prédio do Museu, tombado pelo patrimônio histórico, foi completamente reformado, com pinturas das áreas interna e externa, restauração do telhado, adequação da instalação elétrica e iluminação, instalação de corrimão na escada e inclusão de um banheiro para portadores de necessidades especiais. A parte hidráulica foi um outro serviço que fez parte de todo o processo. As melhorias foram realizações do Governo do Estado, através da FHEMIG e contou com a parceria da Prefeitura de Barbacena, por meio da diretoria de Cultura e Turismo da Agência de Desenvolvimento Integrado e Região (AGIR).

O Secretário de Estado de Saúde, José Geraldo de Oliveira Prado afirmou a importância do compromisso entre o Estado e Município. “Acho que é uma oportunidade do Governo do Estado reforçar a parceria que tem com Barbacena e todos os municípios da região. Minas Gerais faz diferente, ela é pioneira e tem coragem de fazer e mostrar o rosto sem medo. Então, este momento onde se encontram Governo do Estado, Município e Fundação Hospitalar é de grande valia e orgulho para nós”, disse o secretário.

Ainda falando em cultura, o presidente da Fhemig, Antônio Carlos de Barros Martins ressalta que é um marco histórico não só para Barbacena, mas para todo o País. “Estamos resgatando a história de um passado, que nos orgulhamos de ter um outro modelo assistencial e que traz um grande benefício para nossos pacientes”, contou o presidente.

O Museu vai se transformar em uma verdadeira fonte da trajetória da loucura, mostrando as mudanças dos trabalhos relacionados à saúde mental não só de Barbacena, mas do País. Passará a integrar os trabalhos expostos informações relacionados à Luta Antimanicomial e do Festival da Loucura. Com esta mudança, o espaço ganhará ainda uma parte mais interativa com a criação da sala multimídia.

Para acompanhar todo o trabalho não só de revitalização da obras, mas principalmente do projeto da exposição vem sendo acompanhado por uma comissão que foi criada e composta por representantes do Governo Municipal, da sociedade e da Fhemig. O grupo é composto por Lucimar Pereira, Roseli Cordeiro Pereira, Helder Rodrigues Pereira, Edson Brandão, Sérgio Ayres, Maria Helena Boratto e Lucas Thadeu Cordeiro.

Segundo Edson Brandão, diretor de Cultura e Turismo da AGIR, falou sobre a peculiaridade, tecnologias e visitas do Museu da Loucura. “Vamos manter todos os acervos existentes, mas vamos colocar mais tecnologia no local. Afinal de contas, o Museu completa sua maioridade, são 18 anos, com uma marca de aproximadamente 150 mil visitantes e um conhecimento nacional sobre o assunto. Esta parceria do Governo do Estado com a Prefeitura de Barbacena, juntamente com a Fhemig deu certo e estamos vendo o resultado”, disse o diretor de Cultura e Turismo.

O acervo do Museu da Loucura é constituído de textos, fotografias, documentos, objetos, equipamentos e instrumentação cirúrgica, que relatam a história do tratamento ao portador de sofrimento mental.


Busca de Notícias