Museu da Loucura é reaberto ao público
A revitalização conta com ampla reestruturação do prédio, adequação da área física, restauração e ampliação do acervo


O prefeito Toninho Andrada participou na tarde desta quarta-feira, 18, da cerimônia de reabertura do Museu da Loucura, ao lado dos secretários de Estado Helvécio Magalhães, de Planejamento e Gestão, e Ângelo Oswaldo, de Cultura, do presidente da Fhemig, Jorge Nahas, do ex-deputado Paulo Delgado (autor da lei antimanicomial), do vice-prefeito Mário Raimundo de Melo, e dos secretários municipais José Augusto Penna Naves e Edson Brandão, entre outras autoridades. A data é simbólica: 18 de maio é Dia da Luta Antimanicomial e Dia Internacional dos Museus.

O museu foi criado há 20 anos, fruto de parceria entre a Prefeitura de Barbacena e o Governo do Estado/Fhemig, na primeira gestão do prefeito Toninho Andrada (1993/1996). “Eu participei diretamente da criação do Museu, com a Prefeitura impulsionando as obras e, 20 anos depois, quis o destino que eu estivesse novamente à frente da administração municipal participando do resgate. Nós pudemos reatar a parceria com a Fhemig e reabrir o Museu, com uma perspectiva completamente diferente, moderna e atual, que coloca Barbacena numa posição proativa, resgatando essa história à luz do dia”, destacou o prefeito.

A cerimônia de abertura contou com a presença do Coral Pirô Criô, composto por usuários do hospital, que participam de forma espontânea e realizam apresentações externas e internas há mais de uma década. O evento também contou com o lançamento do livro “Uma Falha no Silêncio”, que nasceu de um concurso realizado entre os servidores da Fhemig. O secretário de Cultura de Minas Gerais, Ângelo Oswaldo, também foi agraciado com a Medalha Expedicionário Álvaro Jabur, dentro das das comemorações alusivas ao Dia da Vitória.

“Nós unimos a dimensão da cultura com a da saúde pública e mental, em uma iniciativa tão importante, que mostra o que foi a loucura e como foram tratados os chamados 'loucos' durante muitos e muitos anos. Esse resgate vem fazer aquilo que devem fazer os museus, ensinando, recordando e evocando algo que nós devemos esquecer para que não seja cometido outra vez”, ressaltou o secretário de Cultura.

A revitalização do Museu da Loucura teve início em junho de 2014 e conta com ampla reestruturação do prédio, adequação da área física, restauração e ampliação do acervo. A nova exposição permanente mostra, além da história do hospital, informações sobre a reforma psiquiátrica, a trajetória da luta antimanicomial e os serviços substitutivos em Barbacena, ampliando o conceito história e acrescentando recursos tecnológicos.

“O Museu chega a 20 anos e era hora de ganhar uma nova roupagem. A primeira fase, em que pioneiramente conseguiu contar essa história, foi cumprida. E agora era necessário que o local ganhasse uma atualização tecnológica, com um visual mais compatível com a história que a gente tem para contar, bem como o enriquecimento do acervo, acrescentando peças que até então não estavam sendo mostrados. E, de fato, acredito que agora nós conseguimos fazer um percurso completo”, afirmou o subsecretário de Cultura de Barbacena e historiador responsável pelo projeto museológico, Edson Brandão.

“O Museu da Loucura é uma referência no cenário nacional e também no internacional. Com essa revitalização, o Museu vai muito além do que estava sendo mostrado, apresentando uma nova conceituação e permitindo uma interatividade maior com o visitante”, completou a coordenadora do Museu da Loucura, Lucimar Pereira.


Busca de Notícias