Encontro reúne pesquisadores da Estrada Real em Santos Dumont
O encontro debaterá temas ligados ao antigo caminho do ouro que ligava Minas Gerais ao Rio de Janeiro, nas áreas de história, geografia, cartografia e genealogia


Nesta sexta e sábado, 17 e 18 de junho, será realizado na cidade de Santos Dumont, o Sétimo Encontro de Pesquisadores do Caminho Novo. O encontro debaterá temas ligados ao antigo caminho do ouro que ligava Minas Gerais ao Rio de Janeiro, nas áreas de história, geografia, cartografia e genealogia. Segundo o médico e organizador do Encontro, Luiz Mauro Andrade da Fonseca, além de apresentar pesquisas sobre a história do chamado Caminho Novo, serão discutidos outros temas como a chegada da ferroviária na região e a legislação para a preservação de monumentos e documentos que resgatam a história do trajeto mais importante no Ciclo do Ouro, no século XVIII. O encontro, que a cada ano atrai cada vez mais estudiosos e aficionados por história regional já foi realizado em Barbacena, Juiz de Fora, São João-del Rei, Simão Pereira e Congonhas.

Além das palestras e comunicações de pesquisas, haverá uma mesa redonda sobre o papel dos Arquivos Históricos na região e um painel especial sobre proteção legal de monumentos pelo Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda, da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural de Minas Gerais.

Diários de viagem inéditos

Um dos destaques da programação será a palestra e o lançamento livro “Ernst Hasenclever e sua viagem pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais”. Edson Brandão, subsecretário de Cultura de Barbacena e um dos responsáveis pela produção da obra, junto com a Professora Debora Bendochi Alves (Universidade de Colônia - Alemanha) falará de todo o processo que envolveu o resgate dos diários de viagem do comerciante alemão Ernst Hasenclever, que empreendeu uma jornada ilustrada e comentada, entre julho e outubro de 1839, percorrendo parte do estado do Rio de Janeiro até a região central de Minas Gerais. Segundo Brandão, além da narrativa escrita, Hasenclever fez desenhos até então desconhecidos de localidades como Prados, Ibertioga, Barroso, além de Barbacena, São João del Rei, Mariana e Ouro Preto. “O curioso é que em um pequeno mapa feito a mão, Hasenclever registrou o arraial de Bento Rodrigues, que hoje foi varrido do mapa pelo acidente ambiental”. Segundo Brandão, o viajante alemão tinha vivo interesse pela mineração e a siderurgia e visitou as principais minas da época. Também visitou e se correspondeu com Peter Lund, paleontólogo que viveu e fez pesquisas na área de Lagoa Santa. A edição produzida pela Fundação João Pinheiro, pela Coleção Mineiriana, teve a coordenação editorial da Profa. Maria Marta Araújo, e estudos críticos de Friedrich Renger. O lançamento será a partir das 15:30h, no Auditório da Fundação Educacional São José (antiga escola normal), Avenida Getúlio Vargas, 547, centro


Busca de Notícias