Festival Nacional de Teatro de Barbacena terá 19 grupos fazendo apresentações
O evento contará com a circulação de mais de 120 artistas, de estados como: Rio de Janeiro, Distrito Federal, Bahia, São Paulo e Minas Gerais

A equipe de produção do Instituto Curupira conta com 35 pessoas

Barbacena será palco de mais um importante evento cultural, este ano em sua segunda edição. O Festival Nacional de Teatro de Barbacena, promovido pelo Instituto Curupira, acontecerá de 23 a 31 de julho. Dezenove grupos e companhias de várias cidades do Brasil foram selecionados e farão parte da programação. O evento contará com a circulação de mais de 120 artistas, de estados como: Rio de Janeiro, Distrito Federal, Bahia, São Paulo e Minas Gerais. A equipe de produção do Instituto Curupira conta com 35 pessoas.

O festival tem entrada franca e menores de 18 anos precisam estar atentos ao disposto pela Vara da Infância e Juventude de Barbacena. Segundo Delton Mendes, diretor internacional do Instituto Curupira e coordenador geral do evento, o festival representa um marco de resistência política, cultural e ambiental, sobretudo por seu perfil livre, democrático e responsável.

A abertura oficial do evento, no dia 23, às 19h, com apresentação da Banda Mangaia (Instituto Curupira), na Praça dos Andradas. A programação continua no domingo, 24, com o espetáculo do Grupo Conta Outra (Instituto Curupira), com a peça ‘O beijo’, às 19h, no Teatro do Estadual. Já o grupo Fofocas de Teatro, da cidade de Barroso, apresentará ‘Eram dois coveiros que se amavam’. Na terça-feira, 26, será a vez da Cia Teatro Vivo, do Rio de Janeiro, que estará no palco com a peça 'Maria Madalena'.

No dia 27, às 19h, o grupo Teatro da Pedra/CPPA, de São João del-Rei, com o espetáculo ‘Incidente em Antares’ (classificação livre); em seguida, sobe ao palco o Centro Experimental de Teatro e Artes, do Rio de Janeiro, com a peça ‘Perdoa-me por mar’ (classificação livre). Na quinta-feira, 28, a programação inicia na parte da manhã com o Grupo Galhofas - Descalvado, de São Paulo, com o espetáculo ‘Cadê o pássaro que estava aqui?, na praça dos Andradas. Na parte da tarde, às 15, também na praça dos Andradas, a peça ‘O doente imaginário’, com o grupo Depois do Ensino, do Rio de Janeiro. A programação continua no teatro do Estadual com as apresentações: ‘Convite para um café’, com o grupo Teatro Delivery (São Paulo); E, às 21h, ‘Borra’, com Trupe Inv. Arroto Cênico (Nova Iguaçu -RJ),

Na sexta-feira, às 15h, na Bituca, ‘Ato e Palavra: vivência com o Grupo Ponto de Partida'. À noite, ‘Meu precioso cabaré’, com o Grupo Poetizar Coletivo Teatral (Brasília); ‘O canto do mundo’, com Cia. Mutum (Ubá). No penúltimo dia do Festival, na parte da manhã, ‘Invisibilidade social’, com a Cia Negra de Teatro (Belo Horizonte) pelas ruas de Barbacena; ‘Adesividade’, com o grupo Pulso Artes Cênicas (Salvador - Bahia), na Praça dos Andradas; ‘Trem das onze' (infantil), com o grupo Pierre (São Paulo), no Teatro do Estadual; ‘Vaga dez’, com Teatro da Pedra (São João del-Rei), na Praça dos Andradas; e ‘Terrabatida: reminiscência de Canudos', com a Cia. Plúmbeo (Rio de Janeiro), no Teatro do Estadual.

O Festival encerra a programação no dia 31 com ‘Fórum: o teatro como mecanismo de construção social e ambiental’, que terá como mediador Delton Mendes; na parte da tarde apresentação da peça ‘Quem sou eu: o musical’ - com o grupo Quem sou Eu (Juiz de Fora), e a última apresentação será às 18h, no Teatro do Estadual, com a peça ‘Inimigo do povo’, com a Cia Código de Artes Cênicas (Japeri - RJ). Logo em seguida, cerimônia de premiação. 


Busca de Notícias