De Platão e Richelieu a Drummond e Santos Dumont


Em sessão solene presidida pelo acadêmico Mario Celso Rios, a Academia Barbacenense de Letras - ABL, deu início ontem, dia 17 de novembro, às comemorações alusivas aos seus 40 anos de existência que ocorrerá 2017, fato destacado pelos acadêmicos e convidados presentes, como também o 108º aniversário de nascimento do seu idealizador, professor Plínio Tostes de Alvarenga, oportunidade em que ocorreu uma saudação póstuma a todos os imortais que tiveram acento na Academia.  

Tivemos a honra de ocupar a tribuna da ABL para em nome dos barbacenenses, na pessoa do prefeito e acadêmico Toninho Andrada, enaltecer a magnitude da Academia na história da cidade e ao lembrar do professor Plínio, cumprimentamos todos os seus componentes na pessoa do dinâmico presidente Mário Celso Rios, quando o saudamos pelas ações da atual diretoria. Abordamos a cultura dos oradores da Sessão, acadêmicos Dr. Paulo Roberto Maia Lopes e professora Terezinha de Abreu Pereira, que abriu a sua profícua explanação discorrendo sobre as comemorações do Centenário do pintor Emeric Marcier e do aniversário do poeta Carlos Drummond de Andrade, de quem recitou um belo poema.

O orador oficial, acadêmico Paulo Maia Lopes, proferiu palestra abordando a origem e evolução histórica das Academias de Letras, desde a grega, de Platão, à francesa, de Richelieu, passando pelas arcádias luso-brasileiras do século XVIII, à fundação da Academia Brasileira de Letras. Ao abordar a Academia Barbacenense de Letras o orador apresentou um retrospecto da história da entidade e os planos futuros e lembrando dos ensinamentos deixados por Plínio Alvarenga o palestrante abordou Tiradentes e os inconfidentes, os manuscritos do patrono da cadeira número 01, o poeta sátiro padre Mestre Correia de Almeida, como também biógrafos do patrono da ABL, o barbacenense Alberto Santos Dumont, destacando que o mesmo nasceu no distrito de Palmira, então pertencente ao município de Barbacena, hoje cidade de Santos Dumont.   

O acadêmico Paulo Maia ainda explanou sobre a Biblioteca “Caminhos do Ouro”, setor de apoio da entidade, destacando o trabalho da presidência para modernização do acervo através do moderno sistema de Classificação Decimal Universal, considerado um “instrumento poderoso de organização, recuperação, disseminação, acesso e uso de informação em qualquer tipo de coleção, seja de biblioteca, arquivo ou museu”, lembrando que já foram catalogados 1.137 volumes, 1.021 títulos de livros, 06 monografias científicas. 25 fascículos e 525 artigos do Anuário da ABL. Ao final da palestra, ocorreu um produtivo debate por parte dos acadêmicos e convidados, como o presidente da Academia Mantiqueira de Filosofia, professor José Cimino, a diretora da biblioteca municipal professora Simone Thomaz Paulucci, sobre temas literários e históricos relacionados aos temas abordados. Parabéns ABL! E ponto final!

*Artigo do professor José Augusto Penna Naves – Secretário-chefe da Casa Civil


Busca de Notícias