Secretaria de Saúde destaca a importância do Teste do Pezinho


Basta uma picadinha no calcanhar do bebê para detectar precocemente algumas doenças sérias de origem genética ou congênita grave, que podem afetar o seu desenvolvimento. O Exame laboratorial de Triagem Neonatal também conhecido por “Teste do Pezinho” deve ser feito entre o 3º e o 5º dia de vida do bebê. Esse período é importante para que o funcionamento do organismo do bebê se estabeleça e seja possível detectar as doenças, principalmente a fenilcetonúria, que é diagnosticada após o bebê fazer a digestão do leite materno.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069, de 1990), o Teste do Pezinho é obrigatório por lei em todo o território nacional. Em Barbacena, o exame é oferecido de segunda a sexta-feira, com horário de coleta de 7h30 às 10h30 e de 13h às 16h, na Unidade Central de Vacinação. 

É necessário levar:

(Do recém nascido):

Declaração Nascido ou Certidão de Nascimento
Caderneta da Criança/ Cartão de Vacinação
Cartão do SUS

(Documentação da Mãe):
Cartão do SUS, RG e CPF

Como o exame é realizado

Uma amostra de sangue do calcanhar do bebê, onde existe um grande fluxo sanguíneo. O sangue é colocado num papel tipo mata-borrão e encaminhado ao laboratório. As amostras de sangue coletadas são enviadas para o Laboratório de Triagem Neonatal do Nupad, na Faculdade de Medicina da UFMG, em Belo Horizonte, onde são examinadas. O resultado é disponibilizado dentro de 30 dias, sendo entregue para a família impresso ou através do site www.nupad.medicina.ufmg.br

Monitoramento do Cuidado

Após a triagem neonatal, sendo a criança identificada como positiva para alguma das doenças, a mesma passa a ser acompanhada e tratada gratuitamente pela Rede de Atenção à Saúde no âmbito do PTN-MG e por atendimento profissional médico de referência do município. O Setor de Monitoramento do Cuidado do Nupad também tem como estratégia o contato diário com a Unidade Central e as demais Unidades Básicas de Saúde, fazendo o acompanhamento e monitoramento dos processos da triagem neonatal realizados no município e o controle do tratamento das crianças diagnosticadas.

Doenças diagnosticadas na versão básica do teste

Fenilcetonúria
Causada pela deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina. O acúmulo no organismo pode causar deficiência mental.

Hipotireoidismo congênito
Causada insuficiência do hormônio da tireoide. A falta de tiroxina pode causar retardo mental e comprometimento do desenvolvimento físico

Fibrose cística
Ocorre aumento da viscosidades das secreções, propiciando as infecções respiratórias e gastrointestinais. Ataca pulmões e pâncreas.

Anemia falciforme e outras hemoglobinopatias
Alteração da hemoglobina que dificulta a circulação, podendo afetar quase todos os órgãos. Pode causar anemia, atraso no crescimento e dores e infecções generalizadas.

Hiperplasia adrenal congênita (HAC)
É uma doença genética, em que as duas glândulas suprarrenais - localizadas em cima dos rins, não funcionam corretamente, prejudicando a produção de hormônios essenciais para o corpo, como o cortisol e a aldosterona.

Deficiência de biotinidase
É também uma doença genética, em que o organismo não é capaz de obter a enzima biotinidase, impedindo que os alimentos sejam processados ou metabolizados pelo organismo.

Unidade Central de Vacinação
Praça Conde de Prados, s/n - Centro
(32) 3339-2123


Busca de Notícias