Profissionais de Saúde enfrentam dificuldades e obstáculos para vacinação de pacientes acamados


A Secretaria Municipal de Saúde de Barbacena (Sesap) desde janeiro deste ano, realiza a imunização da população contra à Covid-19. Seguindo a ordem dos grupos prioritários determinado pelo Plano Nacional de Imunização (PNI), os profissionais de saúde não têm medido esforços para levar a vacina até as pessoas que não podem se locomover.

A população acamada de idosos, na Zona Rural de Barbacena, vem recebendo as doses, de acordo com a fase atual do PNI, independente dos obstáculos para chegar até certas residências. Para se ter uma ideia, 239 idosos com mais de 80 anos já foram imunizados na Zona Rural, sendo que 26 já receberam a segunda dose.

Uma das profissionais que estão na linha de frente desse trabalho é Larissa Nascimento Ávila (FOTO), graduada em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e atualmente enfermeira da Estratégia Saúde da Família da UBS Correia de Almeida. A profissional conta que a equipe quando chega no domicilio para fazer a vacinação, sempre é bem recepcionada.

“Muitos solicitam dos cuidadores ou familiares que os arrume (banho, trocar de roupa) para poderem receber a vacina. Além disso, os cuidadores e familiares ficam extremamente gratos, vendo na ação de imunizar os idosos esperança de dias melhores. Muitos comemoram, se emocionam e pedem pra filmar e tirar fotos para registrar o momento histórico. Eles nos oferecem café, água e as vezes até um lanche. Muitas vezes questionam ‘já vai? Fica mais’ acredito que o cenário de pandemia e necessidade de isolamento social faz com que esses idosos se sintam carentes e receber uma visita é uma alegria pra eles”, pontuou Larissa.

A enfermeira relata que na vacinação a domicilio, principalmente na Zona Rural, as principais dificuldades estão relacionadas ao difícil acesso as casas. Larissa Nascimento explica que nos últimos dias, que tem chovido com frequência, as estradas de terra dificultam a chegada. “As casas são na maioria muitos simples e humildes, em algumas situações os cômodos são escuros e não encontramos mesas ou cadeiras para apoiar o material de vacinação”, destacou.

 

Sobre a profissão, Larissa fala de como esses profissionais de enfermagem se preparam e se dedicaram para exercer esse trabalho. “Ser linha de frente no combate ao covid-19 não nos coloca como heróis, mas sim, como profissionais competentes que honram a profissão e a integridade do ser humano. Fazer parte da equipe de imunização é de muita responsabilidade e é extremamente gratificante, além de ser um momento histórico, ver que é através do nosso serviço que levamos esperança as pessoas, que é no nosso serviço que elas acreditam e principalmente que nós estamos sendo responsáveis pela vida e o futuro delas”, enfatiza.

Por fim, a enfermeira concluiu destacando a importância da vacina e que somente ela poderá dar a população novamente dias melhores. “Muitos profissionais se dedicaram para produzir a vacina e isso também deve ser valorizado.  É a partir da vacina, juntamente com a manutenção dos cuidados de higiene, uso de máscara e isolamento social que acreditamos estar um passo mais próximo do fim desse cenário de pandemia”, concluiu.


Busca de Notícias